Instintos


Diz-me,
Também me vês aí,
Nesse oceano interminável?

Eu vejo-te
Na minha rua,
Uma miragem quase palpável.

Este desejo,
Tóxico,
Parece não me deixar respirar…
Tanto me afaga a alma
Como me tira o ar.

Para quê
Procurar-te,
Se não vou ter-te de verdade?

Porque é
Que eu insisto em colar-te
Numa teia de saudade?

Queria tanto responder-te
‘Vem ter comigo’.
‘Quero perder-me em ti
E fazer de ti meu abrigo…’

Sei que entre quatro paredes
Só existimos nós dois.

Mas eu não quero viver
O que vem depois.

Por isso me quedo,

Tentando calar

Todos os instintos

Que em mim têm lugar.




6 comentários:

Esmeralda disse...

Responde então aquilo que queres responder «Vem ter comigo».
Mas responde.
Vive o teu sonho tornado real dentro das tais quatro paredes.
Mas vive, sem pensar no que vem depois.
O “depois” só ao destino pertence…
…não sofras por antecipação.
Vive o momento do momentos, vive, sem medos.

beijocas

Brain disse...

A Esmeralda... já disse tudo!

Permite-te a loucura saudável!

Um Beijo meu.

nuvem disse...

Mais um bonito poema.

Beijo

Carol Barcellos disse...

Se agora vcs estão juntos, não precisa tentar adivinhar um futuro incerto. Ele pode ser tantas coisas, e pode nunca deixar que essa procura em vão realmente aconteceça. O medo de perder pode fazer com que a gente dê mais valor ao que tem, e que faça a "manutenção" correta. Mas o medo demais só atrapalha, a gente só perde...

Belíssimo poema!

Beijinhos doces cristalizados!!! :o*

Sinnerman disse...

eu acho que sim, devias aproveitar o momento e viver a realidade entre as 4 paredes, porque nao ? se essa e' uma forma de viver o amor ?

Reticências disse...

Sinnerman,
concordo, é uma forma de viver o amor…
mas o meu coração e as suas arritmias, não reage bem à complexidade desses dias…